voltar

Artrite: Um Mal de Qualquer Idade

Data de postagem 11/03/2022 | escrito por

Hoje em dia é comum encontrarmos um ou mais conhecidos que revelam estar sofrendo de artrite ou de uma de suas muitas variações. Nesse sentido, as pessoas em geral se esquecem de que este é um mal praticamente transmitido por gerações e que, dependendo do histórico familiar, a probabilidade de se ter este distúrbio mais cedo ou mais tarde é praticamente infalível.

Tudo é uma questão de se ter a informação correta. Por isso vamos usar este artigo para desmistificar alguns itens que correm por aí (inclusive na Internet) sobre o assunto. Antes de mais nada: esta não é uma característica de pessoas idosas. Ou seja, os mais jovens, se tiverem tendências herdadas da família, também estão suscetíveis a sofrer deste mal.

No Brasil, empresas como a Vincere Musculação e Fisioterapia ajudam a prolongar a capacidade física dos pacientes e aumentar sua qualidade de vida. Com isso, a longevidade do ser humano se torna algo mais saudável e resistente. Mas desde que o paciente tenha noção dos riscos que pode correr naturalmente. E um dos mais frequentes é justamente a artrite que, quando ataca, pode comprometer todo o seu estilo de vida.

O que é a artrite?

Mas o que a artrite vem a ser exatamente? “Artrite” é um termo genérico frequentemente usado para se referir a qualquer distúrbio que afete as articulações. Dessa forma, os sintomas geralmente incluem dor e rigidez nas articulações e podem incluir também vermelhidão, calor, inchaço e diminuição da amplitude de movimento das articulações afetadas. Em alguns tipos de artrite, outros órgãos também são afetados e seu início pode ser gradual ou repentino.

Existem mais de 100 tipos de artrite. As formas mais comuns são osteoartrite (doença articular degenerativa) e artrite reumatoide. A primeira geralmente ocorre com a idade e afeta os olhos dos joelhos e quadris. Já a segunda é um distúrbio autoimune que geralmente afeta as mãos e os pés. Além disso, outros tipos incluem gota, lúpus, fibromialgia e artrite séptica, todos tipos de doença reumática.

Tratamentos

O tratamento pode incluir descansar a articulação e alternar entre a aplicação de gelo e calor. Também, perda de peso e exercícios podem ser úteis. Por fim, os medicamentos recomendados podem depender da forma de artrite e incluem analgésicos como ibuprofeno e paracetamol (acetaminofeno). Porém, em alguns casos, uma medida como a substituição da articulação pode ser útil.

Tipos de artrite e suas ocorrências

A osteoartrite afeta mais de 3.8% das pessoas, enquanto a artrite reumatoide afeta cerca de 0.24%. A gota afeta cerca de 1 a 2% da população ocidental em algum momento de suas vidas. Na Austrália, por exemplo, cerca de 15% das pessoas são afetadas por artrite, enquanto nos Estados Unidos mais de 20% têm algum tipo desse problema. Geralmente, a doença se torna mais comum com a idade e é uma razão comum pela qual as pessoas faltam ao trabalho, resultando em uma diminuição significativa da qualidade de vida.

Sintomas comuns da artrite

A dor, que pode variar em gravidade, é um sintoma comum em praticamente todos os tipos. Assim também, distúrbios artríticos como lúpus e artrite reumatoide podem afetar outros órgãos do corpo, levando a uma variedade de sintomas. Destes, podem incluir os seguintes: Incapacidade de usar a mão ou andar; Rigidez em uma ou mais articulações; Erupção ou coceira; Mal-estar e fadiga; Perda de peso; Dormir mal; Dores em geral e dores musculares; Dificuldade em mover a articulação.

De acordo com a doutora Keize Mortarelli Santos, fisioterapeuta da Vincere de Moema, São Paulo, “é comum na artrite avançada ocorrerem alterações secundárias significativas”. “Por exemplo, sintomas artríticos podem dificultar a movimentação e/ou exercícios de uma pessoa, o que pode levar a efeitos secundários, como fraqueza muscular, perda de flexibilidade e diminuição da aptidão aeróbica”.

Exercícios ajudam no alivio da dor associada à artrite

Os tipos de exercício que uma pessoa pode realizar para aliviar a dor associada à artrite do quadril incluem:

Aeróbicos ou de resistência de baixo impacto, que podem melhorar a aptidão geral de uma pessoa e a saúde do coração. Ainda mais, eles também podem ajudar uma pessoa a controlar seu peso.

Exercícios de fortalecimento: Visam fortalecer os músculos para fornecer mais suporte, estabilidade e proteção às articulações.

Exercícios de amplitude de movimento (ADM) e alongamento: Visam melhorar a flexibilidade de uma pessoa, permitindo que mova suas articulações em uma amplitude maior.

Yoga: Forma de treinamento de força que também visa amplitude de movimento e flexibilidade.

Thai chi: Atividade que combina exercícios suaves com alongamento e atenção plena.

Artrite Reumatoide: o que é?

A artrite reumatoide (AR) é um distúrbio no qual o próprio sistema imunológico do corpo começa a atacar os tecidos do corpo. Dessa forma, o ataque não é apenas direcionado à articulação, mas a muitas outras partes do corpo. Nela, a maioria dos danos ocorre no revestimento da articulação e na cartilagem, o que eventualmente resulta na erosão de dois ossos opostos.

A AR frequentemente afeta as articulações dos dedos, punhos, joelhos e cotovelos, é simétrica (aparece em ambos os lados do corpo) e pode levar a deformidades graves em poucos anos se não for tratada. Além disso, ela ocorre principalmente em pessoas com 20 anos ou mais. Em crianças, o distúrbio pode se apresentar com erupção cutânea, febre, dor, incapacidade e limitações nas atividades diárias.

“Com diagnóstico precoce e tratamento agressivo, muitos indivíduos podem ter uma qualidade de vida melhor do que se não fossem diagnosticados por muito tempo após o início da AR”, acrescenta a Dra. Keize Mortarelli Santos. Os fatores de risco com a associação mais forte para o desenvolvimento de artrite reumatoide são sexo feminino, história familiar de artrite reumatoide, idade, obesidade, lesão articular anterior por lesão e exposição à fumaça do tabaco.

Tipos de exercício para aliviar a dor da artrite

Os seguintes tipos de exercício podem ajudar a aliviar a dor, rigidez articular e outros sintomas que a AR pode causar:

Alongamento

Ajuda a melhorar a flexibilidade, reduzir a rigidez e aumentar a amplitude de movimento. Por isso, o alongamento diário é importante para aliviar os sintomas. A rotina de alongamento ideal será diferente para cada pessoa e dependerá de quais articulações são afetadas e quais sintomas ocorrem. No entanto, os alongamentos geralmente envolvem o movimento lento e suave das articulações dos joelhos, mãos e cotovelos. Alguns pacientes acham benéfico trabalhar com um fisioterapeuta que entenda de AR para aprender a maneira correta de realizar os alongamentos que atendam às suas necessidades pessoais.

Caminhada

Forma de exercício de baixo impacto que pode ajudar no condicionamento aeróbico, na saúde do coração e nas articulações e no humor. Entretanto, é essencial usar sapatos adequados e manter-se hidratado, mesmo que a caminhada não seja extenuante. Muitas vezes é sensato caminhar lentamente inicialmente e depois aumentar o ritmo quando possível. Uma pessoa pode querer iniciar uma rotina de caminhada em superfícies planas e uniformes antes de progredir para subidas, descidas ou superfícies irregulares.

Movimentos fluidos (tai chi e ioga)

Combinam respiração profunda, movimentos fluidos, posturas suaves e meditação. Dessa maneira, aumentam a flexibilidade, o equilíbrio e a amplitude de movimento, além de reduzir o estresse. De acordo com um estudo de 2013 de participantes com AR que fizeram tai chi em grupo sugeriu que a atividade pode reduzir a ansiedade e a depressão, aumentando a automotivação e a autoestima.

Exercícios aquáticos

A água ajuda a suportar o peso corporal, minimizando a gravidade, o que significa que os exercícios na água não afetam fortemente as articulações. Assim, natação, hidroginástica e outros exercícios suaves na água podem aumentar a flexibilidade, amplitude de movimento, força e condicionamento aeróbico. Ademais, eles também podem reduzir o estresse e a rigidez das articulações.

Ciclismo

Como a AR aumenta o risco de doenças cardiovasculares, é vital manter o coração o mais saudável possível. Andar de bicicleta pode ajudar a melhorar a função cardiovascular. Andar de bicicleta ergométrica pode ser uma maneira segura de movimentar as articulações e melhorar a aptidão cardiovascular. Um benefício de uma bicicleta ergométrica é que uma pessoa pode ser supervisionada enquanto anda. Uma pessoa também pode andar de bicicleta ao ar livre para obter ar fresco. Além de melhorar o condicionamento aeróbico, o ciclismo pode reduzir a rigidez, aumentar a amplitude de movimento e a força das pernas e aumentar a resistência.

Treinamento de força

O fortalecimento dos músculos ao redor das articulações afetadas pode ajudar a aumentar a força enquanto reduz a dor e outros sintomas da AR. Usar uma faixa de resistência é uma maneira de desafiar o corpo e construir músculos ao longo do tempo. Um fisioterapeuta que trabalha com pessoas com AR deve ser capaz de oferecer orientações sobre exercícios adequados.

Jardinagem

Trata-se de um exercício benéfico. As pessoas devem ser gentis com o corpo, trabalhar devagar e evitar sobrecarregar os músculos e as articulações. Um paciente pode evitar o excesso de esforço evitando dobrar e torcer de maneiras que podem agravar a parte inferior das costas. Um jardineiro deve certificar-se de dobrar adequadamente os quadris ao trabalhar no jardim.

Conclusão

Se sentir que esse é o seu problema, não espere mais: entre em contato com a Vincere e fale com um de nossos fisioterapeutas. Não espere para se tornar mais uma baixa na guerra contra o desgaste das articulações.