voltar

Dores mal tratadas

Data de postagem 07/06/2022 | escrito por

Viver com dor é muito desgastante e isso é indiscutível. A dor limita nossas funções diárias, nos impedindo de praticar nossos hobbies, ter uma vida social e realizar atividades domésticas simples, tornando a nossa vida maçante. Descubra como cuidar das dores mal tratadas e dê uma nova cor para a sua vida.

dores mal tratadas, dor nas costas, dor na omoplata

Podemos até falar disso de uma forma mais abrangente: Quem nunca ficou frustrado por um plano não ter saído da forma que gostaria? 

É impossível não ter pelo menos uma situação assim que venha em nossa mente.

É pior ainda quando não alcançamos o que queremos por uma limitação física, seja por falta de flexibilidade no corpo, seja por não termos o condicionamento adequado, ou pior, por possuirmos dores que não foram tratadas direito.

Não existe tratamento milagroso para dor

Olha, eu fiz uma massagem quando eu estava com dor nas costas e nunca mais senti dor”

“Eu li na internet que para esse tipo de problema um remédio resolve”

Ouvimos diversas frases como essas no nosso cotidiano, tanto de amigos que querem nos ajudar quanto o que pesquisamos na internet e, por melhores que sejam as intenções, não há nada de bom em por essas recomendações em prática.

sugestão para dor, como tratar as dores, dor nas costas, dor no pescoço

Realmente, seu amigo pode ter melhorado das dores nas costas com uma medicação, mas será que esse tratamento é o ideal para você? 

Quando nos deparamos com um problema é natural tentarmos resolvê-lo por contra própria, como isso não é o ideal acabamos muitas vezes piorando o quadro, maltratando a causa do problema e desenvolvendo dores mal tratadas e crônicas. 

A Associação Internacional para Estudos da Dor (IASP) diz que a dor é “uma experiência sensitiva e emocional desagradável associada a uma lesão tecidual real ou potencial, ou descrita nos termos de tal lesão”.

Entenda a sua dor mal tratada

Dito isso, podemos perceber que a dor, por si só, não é algo ruim. Pelo contrário, ela nos avisa que algo não está funcionando corretamente no nosso organismo e é como um sinal de alerta para a melhora.

Como estamos falando de uma lesão tecidual (real, ou potencial) conseguimos perceber o porquê alguns tratamentos funcionam para alguns e já para outros não.

Além de sermos pessoas diferentes  e com condições físicas e organismos diferentes, não compreendemos a fundo a nossa dor e muito menos a sua origem. Talvez a dor daquela pessoa seja de uma origem diferente da sua.

combate a dores, dores nas pernas, dores nas costas, dores crônicas, dores de artrite, dores de artrose, melhora de performance, dores mal tratadas

Será que a sua dor nas costas, se originou mesmo porque você ficou muito tempo sentado? Ou melhor, será que a lesão nas suas costas foi no mesmo tecido e que esse tratamento milagroso vai agir para melhorar esse tecido ou maltratar ainda mais?

Um diagnóstico correto é o início de um tratamento bem-feito e efetivo. Uma dor bem tratada gera não apenas a melhora da dor em si, mas do que gerou aquele alerta, ou seja, uma dor maltratada além de ser um incômodo é sinal de que algo não vai bem na sua rotina.

Existem diversos tecidos que quando lesionados podem causar dor. Abaixo da pele, onde não conseguimos visualizar, existem músculos, ligamentos, tecido conjuntivo, ossos e tendões. Um comprometimento de qualquer uma dessas estruturas pode ocasionar dor.

Como eu posso descobrir o que realmente está lesionado para assim poder tratar? Essa é uma pergunta muito difícil de se responder. Sem o auxílio de um profissional capacitado, saber o que ocorreu com o nosso corpo com clareza é muito difícil.

Combata as causas das dores mal tratadas

Vamos supor um possível caso:

Estou com dor na lombar (lombalgia) recorrente nos últimos tempos. Sempre que eu tomo um remédio anti-inflamatório ela diminui. Entretanto, após algum tempo, ela volta. 

Se a dor passou, o problema não deveria ter sido resolvido?

Bem que poderia ser assim, né? Mas infelizmente, estamos apenas lidando com os sintomas, não com o problema em si. Passar a dor é diferente de combater a sua CAUSA!

Para tratar a causa, você precisa saber onde está o problema, qual tecido está sendo afetado, se há mais de um tecido afetado, a amplitude desse problema e qual a origem.

Muito complexo, né? Cada tipo de tecido do nosso corpo (seja ele muscular, articular ou nervoso) responde com um tipo diferente de sensação e também um tipo específico de dor.

dores mal tratadas, dores crônicas, aliviar a dor

Então, como eu posso realmente saber qual deles está lesionado?

Bom, fazer isso sozinho é difícil. Pois para isso, você precisa:

  • Entender a história dessa dor, quando ela começou, se teve algum evento específico para desencadeá-la, se já teve algum evento similar antes, se tem alguma outra patologia que pode aumentar ou diminuir a dor;
  • Compreender como é o tipo de dor. A forma como a dor se manifesta diz muito sobre o tecido que está lesionado. Saber se é uma dor em “agulhada”, se ela “queima” ou “irradia” são informações extremamente valiosas para compreender o tecido e ter um diagnóstico preciso.
  • Inspecionar a dor, através de palpação e inspeção. Ver se dói ou gera desconforto ao movimentar ou ao toque, em que sentido dói, se está inchado, roxo ou gelado.
  • Avaliação como está seu corpo, através de um exame físico. Ver se seu corpo é forte ou fraco, estável ou instável.
  • Realizar exames específicos, para irritar o tecido a fim de ter um diagnóstico mais preciso, tanto para descartar ou fechar um diagnóstico.

Vale ressaltar também, que apenas 10% das dores nas costas conseguem ser diagnosticadas por exames de imagem, visto que em uma Ressonância magnética (RM) não dá para saber se o músculo é forte ou fraco, se está estável ou instável, por exemplo.

Em contrapartida, alguns testes ortopédicos realizados por fisioterapeutas têm acurácia maior do que as RM para achar a real causa do problema. Logo, não se necessita nem de exames caros para um diagnóstico certeiro.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Estudos da Dor (SBED), ao menos 37% da população brasileira (cerca de 60 milhões de pessoas), relatam sentir dor de forma crônica e boa parte dessas dores se tornaram crônicas porque não foram tratadas de prontidão e corretamente. 

Não aceite menos do que o justo para melhorar a sua dor. Ela pode não ser simples, mas é tratável, desde que com um acompanhamento correto e com um método eficaz e eficiente, que trata não apenas os sintomas mas principalmente as causas da dor.  

O corpo foi feito para se movimentar, não é justo com você precisar parar a sua vida por causa de dores mal tratadas.